A BISBILHOTEIRA
Eduardo Schwalbach


Sinopse  por  Luiz Gonzaga Martins

A comédia é um género de teatro onde predomina o ridículo das situações e das personagens, fazendo-se uso dum falar crítico, engraçado e divertido, com menosprezo e zombaria, normalmente perante intrigas que sobressaem dos muitos e vários comportamentos dos diferentes tipos de vivências das nossas sociedades.

E como a vida só tem sentido se nela houver, para além da crítica, também a alegria, o divertimento e o riso, vamos ver a comédia A BISBILHOTEIRA.

A história passa-se num sossegado e tranquilo hotel de praia, onde várias famílias passam, usualmente, as suas férias.

Porém, desta vez, a paz e a tranquilidade que normalmente, naquela época, reinam no “Hotel União”, são perturbadas pela chegada dum novo casal com uma pessoa com um pensamento extravagante, duma coscuvilhice incansável e com uma inclinação para segredar, a todos, tudo aquilo que julga que sabe ou pensa saber. Assim, em pouco mais da manhã do primeiro dia da estadia no hotel, consegue pôr os empregados a mal com o patrão, desarmonizar um casal quase perfeito, acabar com bonitos e sérios namoros e colocar o próprio marido numa situação detestável de horrível humilhação e vergonha.

Será que a paz voltará ao “Hotel União”? Será que se conseguem ver livre deste embaraço? Mas… como?

Encenador: Luiz Gonzaga Martins

Elenco: Deolinda Gilde, Dulce Gregório, Fernanda Nogueira, Fernando Moreira, Joana Gonçalves, José Pereira, José Ricardo, Luis Gonzaga, Luísa Pinto, Luiz Gonzaga, Maria Gonçalves, Olga Dantas, Rui Moreira, Susana Martins e Susana Oliveira

Contra-Regra: José Nelson Pinto

Som e Luz: José Emílio Pereira e Joaquim Fernando Costa

Música: Trio de Violas Portus Calle